segunda-feira


Quando a lua me diz boa noite, o dia cerra e a minha alma vagueia por todos os cantos do meu quarto como demónios inocentes e vadios, todo o meu mundo se esconde e eu pairo sobre o céu, a medir toda a força com que ele suporta todas as vontades destes seres. Questiono-me e pergunto-me porquê mas depois fico a pensar que "já não tenho 5 anos para perguntar porquê?", por isso decido encontrar a resposta em mim mesma, no meio daquele escuro todo que se faz no meu quarto e algo me transforma quando tento saber porquê, se calhar não faço as perguntas certas nem encontro as respostas certas.
A chuva cai e faço um chá para mim, bem forte e pouso-o na mesinha de cabeceira, visto a minha camisa de dormir cheia de coelhinhos, e deito-me na cama que a minha mãe fez, aqueles lençóis que apetece ficar para sempre neles... E dá-me o sono, fecho os olhos e no dia seguinte o céu é bem azul, os pássaros cantam e a luz penetra os furinhos da perciana, lentamente...

Porque é que o dia e a noite são tão diferentes?

4 comentários:

Patrícia Costa disse...

es tao forte no que escreves!

Mélina disse...

"A chuva cai e faço um chá para mim, bem forte e pouso-o na mesinha de cabeceira, visto a minha camisa de dormir cheia de coelhinhos, e deito-me na cama que a minha mãe fez, aqueles lençóis que apetece ficar para sempre neles... E dá-me o sono, fecho os olhos e no dia seguinte o céu é bem azul, os pássaros cantam e a luz penetra os furinhos da perciana, lentamente..." dá segura isto, o teu cantinho. E... e o dia e a noite fossem iguais não verias os dois brilhos da vida. O brilho do sol e o brilho da lua.

Cárina disse...

adorei doce : )

Segunda Pele disse...

e olha esta foto, linda!