sexta-feira


Olho ao espelho e vejo estes olhos, esta boca, este fado que corre no meu rosto. Um fado triste e sombrio. Um monstro que se apega à cabeça e só quando eu consigo dizer: "pára!" é que ele pára. Não há seres humanos perfeitos nem ambições constantes de perfeição mas eu sofro de um defeito: inquietação de mim própria.
Longe daqui, ainda sonho ser feliz e largar esta demónio que me vem consumindo. Costuma-se dizer que quando não se faz nada nem se pensa em nada ocupa-se a cabeça com macaquinhos e angústias. Sempre quis encarreirar-me, abdicar de muito tempo em família ou amigos para escrever, para a minha paixão da fotografia, para sonhar com a representação e o canto. Dois refúgios, duas luzes que me fazem sentir eu. É mais que querer, mas a escola... não quer fazer pausas. Preciso de tempo para estudar, para ler e não dá. Mas hoje decidi que tenho que ocupar o meu tempo (porque a Carina também me disse) e quero, dedicar-me como nunca áquilo que sempre gostei e quero aprender, ser e crescer.
A doença mental, a angústia e o sofrimento só se acumulam quando deixamos a nossa cabeça vazia, á deriva e não a ocupamos. A minha cabeça chegou a ser doentia, maldosa e receosa, talvez agora essa faceta mude e a minha cabeça se torne um baile de sentimentos como sempre foi...

1 comentário:

cátiaL. disse...

minha daniela :) identifico-me tanto contigo :p es uma apaixonada de verdade e admiro isso em ti *-* e es uma princesa, lindissima :p sê feliz :')