sexta-feira


E é mesmo verdade que o amor é um sentimento complexo, uma armadilha dos que pensam que são fortes, um descuido no caminho para alguns e uma benção para outros. Mas o amor é mais que isso. O meu amor é um livro grande, cheio de páginas, cheio de histórias, quem o lesse ficava adocicado por tanto romance. O meu amor é um livro que mais parece um barco à deriva no mar, um mundo sozinho e diferente de todos os outros. Quem me julga ou julgou, quem se atravessa ou atravessou no meu caminho nunca, enquanto eu for viva, levará o meu perdão, a minha simpatia e paz. Isto para mim é sagrado, foi Deus que mo enviou, que mo trouxe tão firmemente á Terra para me fazer feliz. Ás vezes perguntam como é o amor possível nesta idade. Eu afirmo-o que é, que não há vida sem amor e amor sem vida, que os meus desejos pertencem a uma única e perfeita pessoa, que os meus sonhos fazem dele o meu protagonista eterno. O amor é um círculo, de risos, de choro, de ciúmes, de loucura, de amizade, de paixão, de discussões. Tudo faz falta, tudo é ingrediente até mesmo as discussões, desde que sejam equilibradas e não destruam todo o sentimento e carinho que une as pessoas e se transforme em angústia diária e amor em "obras".
O amor é algo que nos faz mulheres antes de o sermos, o amor é algo que cresce todos os dias e nos faz sentir completas. Eu? Não vivia sem o meu amor.

1 comentário:

Cárina disse...

tu sabes o que eu penso amor, desde da forma como escreves até ao que na realidade acontece.
minha daniela lyly