domingo


Saberei todas as pegadas incertas naquela praia fechada e pedirei libertação. O chorar dos dias, das folhas, o chorar do pesadelo, o chorar da saudade. Por mais momentos que queira e por mais palavras que consiga agarrar, nada vai travar esta solidão da alma. Onde o mundo não compreende, só as rãs, só os violinos, só a saudade da Idade Moderna, só os livros de poesia impercéptivel aos olhos de todos, só as vozes do além, só a Natureza que apenas está aos meus olhos é capaz de entender.
O que corre no chão, de uma maneira cíclica e confusa. Onde os dias de chuva parecem não ter fim. Onde os olhares já não se cruzam e já não há respeito.
Mas eu fui salva, do meu choro, da minha revolta, da minha falta de esperança. Palavras que me consolam e beijos que derrubam a falsidade.
Libertaste-me, anjo. Agora sonho contigo todas as noites, embalada na esperança que me transmites com o teu olhar. Embalada no baloiçar das minhas pestanas, suplicando por ti. Poderia pedir-te para voltares, anjo. Mas quero ter tempo para digerir todas estas semanas, estas maravilhas, estes olhares, estes beijos escondidos, estes abraços.
Só tu existes neste universo.

2 comentários:

Galante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Galante disse...

http://www.youtube.com/watch?v=dRPwFAoQwxc


Não te percas. Pensa muito bem na tua vida és tu que a fazes mas não te esqueças nunca do que eu te digo e está na hora de veres a vida de outro ponto de vista não te digo para cresceres e seres adulto digo sim amadurece para que compreendas melhor os outros mas acima de tudo a ti. Eu adoro-te minha Dani