quarta-feira



Sou acusada de egoísmo, sou acusada do que nunca pensei nem quis. Leva-me a reflectir, leva-me a calcular a minha vida e ainda é muito cedo para tirar conclusões, o além ainda é grande para mim. Não vejo já nada em quem me chama egoísta porque não há razão, nunca neguei nem rejeitei, tolerei e dediquei. Amo o André, com todas as minhas forças e certezas e talvez o ponha no centro do mundo e ache que é a pessoa que mais merece de mim.
Nunca me esqueci de quem me limpou as lágrimas quando com ele estava mal, nunca esqueci quem me ajudou e reconfortou. Mas... Quando encontro o André nos meus braços todo o resto do mundo se apaga, só ele fica aceso, é um sinal de eternidade, que ascende sem parar. Se o amo e se ele me ama, é evidente que nos tornemos essenciais um ao outro.
Mas há gente que teima em não entender mas eu escrevo apesar de pouco me justificar, mostro o que sinto por letras sem arrependimento e sem vergonha.

Amar torna-me diferente, deixa-me ver o céu com outros olhos e deixa-me escrever sem fim... Eu sou uma criança armada em adulta, maior parte das vezes mas já sei o que é ter medo de perder o meu amor, já sei o que é chorar de saudade pura, o que nunca senti antes, já sei o que é a intensidade de um beijo.
É olhá-lo nos olhos e ele não precisar de dizer nada para eu perceber que é com ele que quero ficar. Traz um jardim de amor ao peito, traz um livro de receitas paradisiacas nos seus braços, tão bem desenhados. É um jardim imenso aquele rapaz, é uma sagrada luz que me enche todo o corpo, é um copo de sumo de rosas colhidas num sábado de manhã, é o teatro e é a beleza. Com ele ainda sinto os meus olhos a abrirem pela primeira vez, como se estivesse a nascer. Ainda sinto o forte odor da ingenuidade sempre que o beijo e me deixo estar nos seus braços, ainda sinto que o para sempre é um lenço branco ao vento, repleto de paz e ternura... A Natureza escreveu-me nas paredes da alma: Tu e o André irão permanecer juntos, aconteça o que acontecer.

Eu sou feliz porque acredito no que pouca gente acredita: no amor. Ele suga-me o corpo todas as noites e veste-me de branco todas as manhãs. Bendito, André.

Da tua Daniela

2 comentários:

luisinha disse...

oh dani minha querida, mais um que me arrepiou o meu frágil coraçãozinho. fica sabendo que tudo(tudo, tudo), o que escrevi no comentário foi verdade, que cá eu não sou de mentiras, e tu e essa tua alma também não. beijinhos minha linda, beijinhos

Liliana disse...

sabes quando chegas aquele ponto em que ja nao sabes o que fazer para que resulte? foi nesse ponto que eu decidi desistir de vez!

este texto está sem duvidas, brilhante daniela :o escreves muito bem mesmo!