quinta-feira

E por mais que a vida nos dê destas bofetadas, há sempre um carinho, por mais negro que seja, que ela nos dá. É a simplicidade de cada gesto, cada cor, cada pessoa tão chegada mas ao mesmo tempo tão estranha, não vou esperar por nada, nem vou desesperar por nada, vou vivendo cada dia como posso e vou ficando todos os dias mais habituada a este novo mundo. Ninguém me pode atirar á cara que desisti porque já nem havia quase nada para insistir a não ser o grande amor. Mas o amor sozinho não interessa para nada, tem de haver respeito, cabeça e compreensão. Talvez a culpa também foi minha, mas foi inevitável, lutar tem limites e sofrer também tem. Já sofri a minha grande dose, todos os dias me lembro como foi tudo e como tudo acabou, custa-me pensar que isto é a realidade nua e crua mas acima de tudo estou eu, os meus valores e a minha marca, estou eu só eu e apenas eu. Agora quero construir-me, fazer de mim algo novo e forte como antes. Não sei como estou a reagir assim, desta maneira tão forte, desta vez, não sei como não passo os meus dias a chorar sem ver mais nada á frente, talvez tenha aberto os olhos, talvez pelas inumeras conversas que me fizeram compreender que isto não estava a ser o que eu realmente achava. Fico mesmo alegre por me ver assim, decidida e pronta para voltar a ser independente. Ainda há muita mágoa cá dentro, o motivo por que isto acabou, deixou-me finalmente decidida a por um fim nesta brincadeira toda. Ainda penso muito, recordo muito e nunca irei deixar de recordar e amar, parece-me o fim e dói-me dizer fim, porque me parece preto o resto da vida. Mas não vou lutar mais, já dei provas suficientes que a luta fez de mim uma heroina naquela relação, já não posso fazer mais nada para o meu próprio bem. Estava a morrer aos poucos, a sofrer e a duvidar do que eu era, todos os dias. Chega! Já não há mais essa faceta, magoou-me tudo o que fiz e saber que se calhar foi em vão, magoa-me tudo mas infelizmente esta vida é feita de mágoas e de filosofias, este mundo já não é o de criança, agora penso pela minha cabeça e não pela dos outros, agora respeito-me e sou de ferro e ao mesmo tempo de manteiga, limpa-me a alma daqui a 100 anos, nunca me vou esquecer de tudo o que me prometeste, dos planos que fizemos, dos momentos que passamos e das loucuras que cometemos, tudo o que cresci e fui contigo, lembro agora com saudade e rancor por me ter deixado com esta nódoa negra no corpo, com este pedaço que arrancaram de mim sem dó nem piedade, agora penso duas vezes antes de agir, sei o que vale ou não a pena, e se tu vales um dia vais procurar-me, se não vales, não procuras, deixas simplesmente porque se calhar não te afectou. E estou preparada para o bem e para o mal, tenho crescido muito, sem muitas extravagâncias e já não me iludo com o mundo das ilusões e alucinações. Não, prefiro pensar estando natural e sensata ao mundo e tudo me sai melhor. Foi a decisão mais difícil de sempre, é o caminho mais escuro de sempre, mas não vou recuar, porque? Porque me amo, porque já chega de sofrer e porque tudo o que vale a pena volta e o que não vale, não volta. Não foi o destino, não foi ninguém, foi a minha decisão para me tornar mais crescida, em todos os aspectos. Pelo menos posso-me gabar que, soube o que é o amor. Dou este assunto por encerrado. Daniela

1 comentário:

Patrícia Costa disse...

continuo a gostar do que escreves :)