domingo

E se há gente desta doçura, louvemo-la! Quantas vezes chorei e quantas ri, quantas vezes me senti a pessoa mais forte do mundo e quantas já me senti a mais fraca, quantas já me irritei e quantas já me diverti até não dizer mais e não foram "quantas" mas sim TODAS as vezes que ela esteve sempre ao meu lado. E um dia eu choro se o destino nos separar, um dia eu fico com o coração vazio se a perco. E quem me vê a chorar, quem me ouve e apoia mesmo quando erro, quem me chama à atenção quando não estou a fazer o certo, quem nunca me abandonou mesmo quando estive só foi ela, ela que merece tudo o que o mundo lhe pode dar de bom!
Ás vezes esquece-se de quem é, da importância que tem, do sentimento que carrego por ela, porque como eu nunca quer perder a nossa amizade. E sem ela, não vivia tão segura, não tomava as decisões sem o meu braço direito, não me sabia tão bem viver, respirar e ser feliz! Sei que ao lado dela, a felicidade é possível, sem mentiras nem enganos. A quem eu chamo de Carina, a minha e eterna Carina

1 comentário:

Cárina disse...

Minha Daniela, como é bom ler tudo isso, como é eternamente valioso pensar que alguma vez partilhei todas as coisas, até as mais envergonhasas. Como é gratificante saber que depois de mudarmos, desta transformação permanente, ainda lidarmos uma com a outra da forma simples e inexplicável de outrora. Como é bom sentir que vais lá estar e como é bom encontrar algum equilíbrio nos teus conselhos.
A segurança do companheirismo, a perseverança da tua personalidade e a pessoa bela que és são elementos que me prendem á boa parte da realidade. Os artifícios de nada valem se não tiver a boa companhia de amigos e os perversos da mente de nada importam se mantiver comigo quem necessito! Não é apenas pelo maravilhoso sabor das histórias que nos fazem rir, não é pela foto cheia de sorrisos e muito menos é por o ritmo de um corpo a meu lado. É muito mais do que isso, é uma grandiosidade dos sentimentos movidos por o amar á vida. É por gostar disto, o aqui e o agora, que os especiais se tornam poucos.
És das poucas e por isso especial. Tudo e mais alguma coisa já dissemos, agora é guardar e desfrutar deste belo prazer. Deste luxo muito maior que qualquer mundo de gente, a amizade.