quinta-feira


Toca melodia, bate no coração. Ouve-se o piano ao som dos meus passos no meu caminho percorrido pelas minhas pegadas. Senti-me viva e amiga da Natureza. Senti que estava em sintonia, que cada gesto, cada movimento de lábios, de olhares, de palavras era a chave de ouro para o apoio do mundo. Tudo estava tranquilo e eu apreciava cada traço teu, cada traço do teu rosto que me iluminava tanto o olhar, que me enchia tanto o coração. E era tão do outro mundo, desenhar com a minha mente cada olhar teu, cada palavra tuda, cada abraço teu. Cheguei a um ponto de ter medo de já não ter palavras para ti, mas elas parecem crescer cada vez mais e a admiração que tenho por ti ainda mais. Parece tudo correr tão suavemente, parece tudo tão simples e mágico quando estás á minha beira a beijar-me, sem ligar a quem está ali, sem nada sem ninguém. Um lugar sombrio, feio e triste torna-se o mais bonito de todos quando estás. Tens tanto poder. Poder de mudar o mundo, de me fazer sorrir quando me apetece chorar, de me fazer acreditar em tanto. E as lágrimas correm tão velozmente quando me assustas simplesmente, quando estamos mais distantes e me dói. Tens o poder que nunca ninguém teve sobre mim. De me fazer chorar ou rir, automaticamente. E canto, como se fosse uma letra do coração, chorando de alegria pela sorte que considero ter. As dúvidas desapareceram, os choros constantes também. E continuo a caminhar, sem medo, neste caminho que me traçaste e me vais traçando todos os dias, sem me magoar como outros me magoaram, sem me mentir como outros mentiram, iludindo-me como nunca. Nunca gostei de me iludir, porque acabo sempre por sair magoada de tudo, mas agora iludo-me com cuidado. Se eu cair, vai haver alguém que me levante. Se eu chorar, vai haver alguém para me consolar. Por agora, deixem-me sonhar.
Amo-te André

1 comentário:

RITA SILVA disse...

ai daniela, screves tão bem. mas tão bem o:
AMO-TE